Category Archives: Geral

Cem dias para mostrar a que veio: Ronaldo Medeiros assume Arsal nesta quarta-feira
   15 de maio de 2019   │     4:08  │  0

O ato de nomeação do ex-deputado estadual Ronaldo Medeiros para a presidência da Agência Reguladora de Serviços Públicos (Arsal) foi publicado no Diário Oficial do Estado dessa terça, 14, duas semanas após a aprovação da sua indicação na Assembleia Legislativa de Alagoas.

Sem tempo a perder, Medeiros começa a trabalhar já nesta quarta-feira, 15 e “pede” cem dias para apresentar os primeiros resultados.

“Sei que a Arsal enfrenta dificuldades, com falta de pessoal e equipamentos, mas estou preparado para o desafio. Conheço a situação e vou adotar, dentro da legalidade, todas as medidas para que a agência cumpra com seus objetivos, sempre focada no cidadão”, adianta.

Medeiros avalia que é possível colocar a “casa em ordem” no prazo. “Eu espero resolver os problemas de gestão em pouco tempo. A gestão é difícil, mas não é o maior problema. A Arsal tem receita própria, tem autonomia. É uma autarquia. Espero dar resultados visíveis nos próximos dois ou três meses. Farei uma fazer prestação de contas nos primeiros 100 dias”, pondera.

Medeiros já se reuniu algumas vezes com diretores da Arsal, o que foi suficiente para fazer um “raio x” do órgão. “Tem possibilidade de melhorar muito na parte de gestão. A parte mais complicada será de revisão de eventuais irregularidades, que serão apuradas, a exemplo da suposta concessão indiscriminada de permissões provisórias para transportadores”, avalia.

Ronaldo Medeiros assume presidência da Arsal e quer apresentar primeiro balanço em 100 dias

Agricultores devem ficar sem sementes do governo, apesar de promessa de RF
   3 de maio de 2019   │     18:57  │  1

O “tempo” deve deixar mais de 30 mil agricultores familiares de Alagoas sem as sementes do governo este ano. Após reunião com secretário de Agricultura, Ronaldo Lessa, realizada na sexta-feira passada (26 de abril), o governador Renan Filho autorizou a compra das sementes.

O problema é que o processo de aquisição continua parado e depende, para ser iniciado, de uma reunião do Fecoep para aprovação dos recursos.

Técnicos da Secretaria da Agricultura avaliam que dificilmente haverá tempo para comprar as sementes se o processo não for iniciado até a próxima segunda-feira, 6.

“A esta altura já descartamos a possibilidade de distribuição de sementes de milho”, explica um técnico da Seagri, que pede para não ser identificado. O milho, mais sensível ao clima, teria que ser plantado, segundo o técnico, ainda em maio.

“Considerando toda a burocracia, de aprovação dos recursos no Fecoep e de abertura do processo licitatório, levaríamos ao menos 30 dias para a chegada das sementes, tornando inviável a distribuição das sementes de milho”, pondera o técnico.

Até mesmo a distribuição de sementes de outras plantas, a exemplo de feijão e sorgo, estariam comprometida, por conta da “janela de plantio”.

Dirigentes da Fetag-AL já não acreditam mais que o governo vá conseguir distribuir as sementes este ano.  “Pelo que venho acompanhando, será uma grande surpresa ver as sementes chegarem a tempo de plantio. No ano passado, em fevereiro os sindicatos (de trabalhadores rurais) já tinha cadastrado todo o pessoal que ia receber as sementes. Este ano chegamos em maio e o processo ainda nem foi aberto”, aponta Robério Oliveira, secretário de Políticas Agrícolas da Fetag-AL.

Robério teme que as sementes não cheguem a tempo: “será uma grande perda. Depois de vários anos de seca, está chovendo bem no agreste e sertão. Numa no como esse, o plantio de sementes de boa qualidade ajudaria muito a fortalecer a renda dos agricultores familiares, beneficiando a economia de muitos municípios no interior”, afirma.

O secretário de Agricultura, Ronaldo Lessa, foi procurado pelo blog para falar sobre a distribuição das sementes, mas não pode atender. Outros gestores da Seagri confirmaram as informações do técnico.

Redução

Independente da distribuição acontecer ou não este ano, o volume de recursos destinado ao programa deve ser reduzido à metade.
A expectativa dos técnicos da Seagri é que o Fecoep aprove cerca de R$ 6 milhões para o programa de sementes, o que seria suficiente para atender apenas metade dos produtores que vinham sendo atendidos pelo Estado nos últimos anos.

Alagoas perde Marilda Cansação, uma das mais importantes líderes do seu tempo
   2 de maio de 2019   │     19:53  │  1

Marilda Lopes Cansanção faleceu nesta quinta-feira, 2, aos 88 anos. A informação chegou até aqui pelo presidente da Associação dos Plantadores de Cana de Alagoas (Asplana), Edgar Filho. “Perdemos hoje uma grande líder de nossa classe, uma mulher que foi referência na luta em defesa da nossa entidade e principalmente pela sua atuação na área social”, afirmou.

Marilda foi, durante muitos anos, presidente da Fafeplan (Fundação Feminina da Asplana). E, lembra Edgar, teve uma atuação marcante no período em que a Asplana tinha maior poderio econômico: “nos tempos áureos ela ajudava a abrir creches, no atendimento da saúde dos trabalhadores rurais e de suas famílias, ajudando sempre os que mais precisavam”, apontam.

Não era só isso. Edgar lembra que Marilda também tinha a “voz firme” e sempre era ouvida na defesa da Asplana: “ela tomava a frente de muitas lutas e sempre com muita determinação e coragem nos ajudava a conquistar muitas vitórias”.

A atuação de dona Marilda Cansanção também é referenciada por outros líderes do setor produtivo de Alagoas, a exemplo do presidente da Federação da Agricultura de Alagoas, Álvaro Almeida e do presidente do Hospital do Açúcar, Edgar Antunes.

A morte dela também foi lamentada duplamente pelo secretário do Gabinete Civil de Alagoas, Fábio Farias, de quem dona Marilda era sogra. “É uma grande perda para nosso Estado. Dona Marilda deixa um legado, deixa um exemplo. Ela dedicou grande parte de sua vida, das suas energias, para ajudar os que mais precisam”, afirmou.

Uma justa homenagem

Em março de 2016, dona Marilda Lopes Cansanção foi agraciada pelo governo de Alagoas com a Comenda Nise da Silveira, entregue pelo governador Renan Filho.

A Comenda é destinada a mulheres escolhidas através de uma seleção do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (Cedim), como forma de reconhecimento na luta pela cidadania, em suas respectivas áreas de atuação, em Alagoas e no Brasil.

A comenda exprime “a gratidão de Alagoas pelos feitos que cada uma das homenageadas fez ao longo da vida e simbolizam a perseverança, a generosidade, a inteligência, o talento e a força de trabalho da mulher”.

Um breve histórico de Marilda Lopes Cansanção

Depois de se formar na Escola de Belas Artes da Universidade de Recife, ela voltou para Alagoas e iniciou uma extensa série de trabalhos sociais, ao lado do marido, o industrial Humberto Rubens Cansanção, na Usina Alegria, em Murici.

Construiu creches e escolas para as famílias dos trabalhadores. Como diretora social da Asplana, criou em 1979 a Fundação de Ação Feminina da entidade, e ao lado de outras 150 voluntárias, promoveu a perfuração de poços em áreas carentes de água, além de serviços assistenciais, médicos e odontológicos, com o destaque para a prevenção do câncer em mulheres.

Foi Secretária de Estado do Trabalho e Ação Social na década de 1980, e na década seguinte passou a integrar o Conselho Estadual de Assistência Social, onde permaneceu por 20 anos, inclusive como presidente e vice-presidente.

Marilda Lopes Cansanção

Em março de 2016, Marilda Cansanção recebeu do governador Renan Filho a comenda Nise da Silveira

Versão oficial

Veja texto da assessoria de imprensa da Asplana sobre a perda de Marilda Cansanção

Morte de Marilda Cansanção gera comoção no setor sucroenergético alagoano

O setor sucroenergético alagoano perdeu nesta quinta-feira, 02 de maio, uma das mais importantes personalidades feminina do segmento com forte atuação na área social, Marilda Lopes Cansanção.

Ex-presidente da Fundação Ação Feminina da Asplana (Fafeplan), além de atuar na defesa das fornecedoras de cana de Alagoas nas últimas três décadas, Marilda Lopes era uma personalidade conhecida da sociedade alagoana, desempenhando também atividades de organizações associativas ligadas à cultura e à arte.

Liderança respeitada do setor sucroenergética, Marilda Cansanção foi secretaria de Estado do Trabalho e Ação Social no governo José Tavares, tendo se notabilizado por desenvolver ações também nas áreas de saúde e na mobilização em defesa da mulher.

“Dona Marilda foi uma grande líder feminina na Asplana, promovia também grandes ações sociais junto aos mais carentes. Ela foi uma grande colaboradora e entusiasta da nossa querida Asplana. Vamos sentir muito a falta dela. Era uma pessoa de uma personalidade muito marcante. Toda a nossa classe sente muito a partida dela”, destacou Edgar Filho, presidente da Asplana.

“Dona Marilda, esposa do ex-diretor da nossa Asplana, Humberto Cansanção, foi por demais importante para o lado social da entidade, sempre preocupada com o sucesso da associação. Que Deus a receba e a proteja no seu novo lar”, afirmou Álvaro Almeida, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária no Estado de Alagoas (Faeal).

“Dona Marilda Cansanção era uma líder nata. Presidente da Fafeplan por longos anos, onde desenvolveu um grande trabalho com os nossos trabalhadores e principalmente com o pequeno fornecedor. Tive a honra de conviver com essa grande mulher, como médico da Fafeplan como também presidente da Asplana”, afirmou Edgar Antunes, presidente da Fundação Hospital da Agroindústria do Açúcar e do Álcool de Alagoas (FHAAAA).

O sepultamento de Marilda Cansanção está marcado para às 10 horas desta sexta-feira, dia 03, no cemitério Parque das Flores, em Maceió, onde o corpo está sendo velado.

Primeiro a “cobrar” a Equatorial, deputado “comemora” redução da tarifa de energia
   30 de abril de 2019   │     16:37  │  1

O deputado estadual Sílvio Camelo (PV) foi o primeiro a se posicionar, na Assembleia Legislativa de Alagoas, contra a possibilidade de aumento da tarifa de energia em Alagoas, anunciada pela Equatorial Energia este ano.

A reclamação parece ter surtido algum efeito. Pouco mais de um mês depois, o que poderia ser um aumento virou redução no valor da tarifa (de -2,7%) , que já passa a valer a partir do próximo dia 3.

Ao assumir o controle da Companhia Energética de Alagoas no dia 18 de março (a empresa foi privatizada em leilão no final do ano passado), a Equatorial acenou com a possibilidade de aumento da conta de energia, além de anunciar um plano de demissão que deve atingir até 700 trabalhadores da empresa.

Camelo criticou a possibilidade de aumento e passou a atuar para que a empresa “congelasse” ou reduzisse a tarifa.

“No primeiro pronunciamento da empresa ela já fala em demissão… Fala ainda do aumento de tarifa. Ora, o que mais se teve no ano passado foi aumento de tarifa de energia. Foi um verdadeiro absurdo”, afirmou Camelo, em março.

Ao saber da redução da tarifa, Camelo “comemorou”, literalmente: “o consumidor alagoano já está muito penalizado com uma tarifa alta e um serviço que não é dos melhores. Não fazia sentido aumentar a conta, ainda mais depois da privatização. A redução da tarifa é um importante avanço. Temos que comemorar. Vamos continuar vigilantes, cobrando a melhoria da qualidade da distribuição de energia e fiscalizando a distribuidora”, aponta Camelo.

A redução

Nesta terça-feira, 30, a Equatorial anunciou uma redução de -2,72% na tarifa de energia de Alagoas. O reajuste tarifário anual foi aprovado pela diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica também nesta terça-feira e é o primeiro aprovado pela Aneel em 2019 a ter efeito negativo sobre as tarifas.

Segundo a Agência, a redução foi influenciada, entre outros fatores, pela privatização da companhia, já que as regras do leilão contemplavam a redução de parte de flexibilizações adotadas para o cálculo das tarifas da distribuidora antes da venda, o que poderia ter levado a uma redução ainda maior de custos caso tivesse havido competição.

A Ceal atende 1,1 milhão de unidades consumidoras em 102 municípios do Alagoas. A empresa teve o controle assumido pela Equatorial em março.

Segundo a assessoria de comunicação da Equatorial, a redução de -,272% na tarifa energética de Alagoas “foi confirmada no Conselho de Consumidores de Energia Elétrica de Alagoas (CCEDAL)” durante reunião realizada na sede da Equatorial Energia Alagoas, na manhã desta terça-feira, 30.

“O cálculo é realizado de forma proporcional aos dias de consumo. A redução na tarifa de energia elétrica será percebida pelos consumidores de forma gradativa”, explicou o gerente de Regulação e Mercado da Equatorial Alagoas, Marcelo Ximenes.
Ainda segundo Marcelo Ximenes, a correção tarifária é resultado do processo de transferência do controle acionário da Distribuidora alagoana, assumido pelo Grupo Equatorial.

“A Equatorial já previa a redução da tarifa no plano de aquisição, que fazia parte do edital do leilão. Tudo faz parte do planejamento da empresa”, concluiu.

Edital do PSS da Secretaria de Saúde do Estado sai em maio, avisa Ayres
     │     1:26  │  2

A Secretaria Estadual de Saúde de Alagoas vai realizar o primeiro concurso público para profissionais da área de saúde, depois de 16 anos. A expectativa é que todo o processo seja realizado ainda em 2019, com provável contratação dos aprovados já a partir de janeiro de 2020.

Antes do concurso, a Sesau realizará um Processo Seletivo Simplificado (PSS), com acompanhamento do Ministério Público Estadual e sindicatos de profissionais da área de saúde (médicos, enfermeiros etc).

O PSS da Saúde será realizado por meio de edital e estava previsto para ser publicado até o final de abril, mas por necessidade de “ajustes” ficou para maio.

“O edital do PSS sairá até 15 de maio”, aponta o secretário de Saúde do Estado, Alexandre Ayres. “Ainda estamos definindo a quantidade de vagas para cada especialidade”, emenda.

O objetivo, adianta Ayres, é contratar os profissionais que vão trabalhar no Hospital da Mulher.

“O hospital vai funcionar no começo de agosto deste ano. Como não haverá tempo de realizar o concurso, faremos inicialmente um processo seletivo simplificado com toda a transparência para contratar o pessoal que vai trabalhar inicialmente na unidade. Em seguida, as vagas serão assumidas pelo pessoal que fizer o concurso”, adianta Ayres.

Para colocar o Hospital da Mulher em funcionamento, a estimativa é que será preciso de cerca de 650 pessoas. “Como vamos usar pessoal da Uncisal e da própria Sesau, ainda estamos definindo quantos profissionais serão contratados no PSS”, explica Ayres.

A gestão do Hospital da Mulher será direta da Sesau, com a “expertise” da Uncisal, avisa o secretário: “estamos aproveitando a expertise técnica da Santa Mônica e tornar o Hospital da Mulher numa referência. Faremos uma gestão compartilhada com a Uncisal, aproveitando toda a experiência do pessoal da Uncisal”, adianta Ayres.

De acordo com o secretário, o Hospital da Mulher está praticamente pronto – com 98% da obra finalizada. “Agora o esforço é para colocar a unidade em operação. Será o primeiro hospital público construído do zero pelo Estado em 50 anos”, pondera.

Quanto ao concurso, avisa Ayres, “os profissionais da área de saúde que quiserem trabalhar no Estado já podem começar a estudar”.