Category Archives: Geral

Setor produtivo de AL apoia medidas contra avanço do coronavírus
   22 de março de 2020   │     20:32  │  0

Líderes do setor produtivo de Alagoas e representantes de entidades de classe declaram apoio às medidas preventivas ao novo coronavírus (Covid-19) estabelecidas pelo governo Alagoas, através do decreto de emergência nº 69.541, publicado na sexta-feira (20).

Apesar das restrições a diversos negócios, os representantes de diversos setores da economia avaliam que as medidas são necessárias para conter o avanço da pandemia.

A seguir, as declarações de dirigentes do setor produtivo alagoano.

– “Não adianta pensar apenas no momento para no futuro termos problemas ainda mais graves. Focando nisso, a ABIH está manifestando total apoio às normas decretadas pelo governador de Alagoas”, afirmou o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) de Alagoas, André Santos.

– “As empresas setor sucroenergético apoiam os esforços do governo e estão adotando medidas para conter o avanço do novo coronavírus entre seus colaboradores, além de contribuir com ações como a doação de álcool para as autoridades de saúde e dos demais órgãos públicos”, afirma Pedro Robério Nogueira, presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool em Alagoas (Sindaçúcar-AL) .

– “Apoio total ao decreto do governo. Seguimos todas as recomendações. E além de apoiar, o setor está a disposição, para ajudar no que for possível, o que for preciso do setor nós vamos ajudar. A essa altura, temos que estar todos juntos”, afirmou o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Alagoas (Faeal), Álvaro Almeida

– “Sabemos que uma economia forte se faz com o setor produtivo funcionando em sua capacidade máxima, mas, para isso ser possível, os trabalhadores precisam estar bem fisicamente e psicologicamente, assim como a sociedade. É momento de pensar no coletivo”, defendeu o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio-AL), Gilton Lima.

– “O setor apoia as medidas governamentais na certeza de que deveremos diminuir ao máximo a curva do crescimento da epidemia em nosso estado para que possamos atender, de uma forma mais profissional e humana, os nossos possíveis pacientes dos grupos de risco, evitando, assim, uma superlotação de nossos hospitais e uma taxa de mortalidade grande em nossa sociedade”, ponderou o presidente do Maceió Convention & Visitors Bureau (MC&VB), Glênio Cedrim.

– “O Governo do Estado conta com todo o apoio da entidade, tanto do ponto de vista estratégico como econômico. Estamos dispostos a ir ao total enfrentamento para que possamos devolver ao nosso estado a normalidade e no menor espaço de tempo possível”, declarou o presidente da Associação Comercial de Maceió, Kennedy Calheiros.

– “Estamos todos muito unidos nestas ações de plena responsabilidade para com a vida, em primeiro lugar. O CCC & VB parabeniza o governador e seu secretariado”, declarou presidente do Costa dos Corais Convention & Visitors Bureau (CCC & VB), Luiz Cláudio Gonçalves, o “Lula”.

– O Sindicato do Comércio Atacadista e Distribuidor do Estado de Alagoas (Sincadeal) também em nota manifestou apoio ao decreto do governo.

Saiba mais: Setor produtivo apoia medidas de combate ao coronavírus adotadas pelo Governo de AL

 

Usinas fazem doação de álcool para combater coronavírus de AL
   21 de março de 2020   │     19:08  │  3

As usinas de Alagoas – indústrias associadas ao Sindaçúcar-AL – decidiram fazer a doação álcool ao sistema público para fabricação de desinfetantes de mãos (álcool gel) e solução de álcool 70. O objetivo é contribuir no combate da Covid-19 e na evitar a disseminação do novo coronavírus.

A decisão foi comunicada na quinta-feira, 19, pelo presidente do Sindaçúcar-AL, Pedro Robério Nogueira, ao Governo de Alagoas, através do Secretário da Casa Civil, Fábio Farias, e ao presidente da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, José Carlos Lira.

“As empresas, embora fabriquem o etanol numa concentração de mais de 90%, já se dispuseram a doar o álcool na concentração de 70%, o mais indicado para assepsia em ambientes hospitalares ou outras áreas para evitar a disseminação do coronavírus e de outras doenças infectocontagiosas”, explica.

Inicialmente serão doados 80 mil litros. “Se for preciso, as empresas poderão fazer uma nova doação”, aponta, o presidente do Sindaçúcar-AL, acrescentando que foi definido com as autoridades estaduais a logística de toda a operação.

“O álcool será entregue a uma central de recepção. E a partir deste ponto, o produto será redistribuído para hospitais, asilos ou associações comunitários em recipientes menores. Cada hospital, associação ou asilo, por exemplo, faria o fracionamento adequado para sua situação”, pondera, Robério Nogueira.

O Sindaçúcar-AL definiu que todo o álcool doado será envasado em uma das suas filiadas, a Cooperativa Pindorama. “Na cooperativa o álcool será acondicionado em embalagens de 20 litros e depois será doada ao governo”, informa.

Até o momento, explica Pedro Robério Nogueira, já confirmaram a doação as usinas que tem disponibilidade imediata do produto: Coruripe, Caeté, Santo Antônio, Serra Grande, Porto Rico, Pindorama, Leão, Santa Clotilde e Sumaúma.

Pedro Robério Nogueira reforça que a contribuição será gratuita, como forma de contribuir com os esforços do governo e da sociedade num momento de grave crise.

“As empresas setor sucroenergético mais uma vez querem se unir aos esforços da população, das autoridades de saúde e dos demais órgãos públicos. Nesse caso, o objetivo é proporcionar aos profissionais de saúde, pacientes e familiares tenham acesso a um produto necessário para todos pessoas consigam superar esse momento de grave crise”, afirma.

Americanas burlam decreto da Covid-19 e são alvo de operação da PM em AL
     │     16:40  │  0

Com várias lojas espalhadas pro Alagoas, um dos maiores grupos de varejo do Brasil, as Lojas Americanas tentaram burlar o decreto do Governo do Estado de Alagoas que proíbe o funcionamento do comércio, entre outros estabelecimentos não essenciais por um período de 10 dias, a partir deste sábado, 21.

As medidas, consideradas de emergência, foram anunciadas para tentar contenção o avanço da Covid-19 no Estado.

Sob a alegação de que são supermercados – estabelecimento que podem funcionar durante este período, porque vendem itens considerados essenciais para a população – as Lojas Americanas de Alagoas amanheceram neste sábado, 21, de portas abertas em Alagoas.

A população, segundo informações do governo de Alagoas, tem feito ligações constantes denunciando a abertura e pedindo o fechamento das lojas. Foram várias denúncias no serviço da Polícia Militar.

Algumas lojas fecharam as portas após a abordagem da PM, que chegou a enviar diversas viaturas e policiais para ‘convencer’ os gerentes de cada unidade ao fechamento.

Até o momento do fechamento deste texto, pelo menos a Americanas do município de Delmiro Gouveia permanecia aberta, desafiando as autoridades estaduais.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas, Rafael Brito, faz uma apelo para que as Lojas Americanas respeitem o decreto e dêem o exemplo a toda a sociedade.

“Na opinião do governo, Americanas não é supermercado. Não vende arroz, farinha, feijão, carne ou frango. A empresa, por ser grande como é, deveria dar exemplo de civilidade, como várias outras empresas fecharam suas portas, sem a necessidade do Estado determinar. Este é o caso de alguns hotéis de Maceió, que anunciaram o fechamento, sem o Estado anunciar medidas específicas”, explica Brito.

Para Rafael, a Americanas tenta argumentar, equivocadamente, que por vender biscoito e chocolate é supermercado. “Não está correto. Só ficou aberto o que é serviço essencial para a população, para que as pessoas comprem itens de cesta básica ou de higiene”, explica.

Ainda segundo Rafael, todas as Lojas Americanas que foram alvo de abordagem policial fecharam, “após um longo processo de argumentação”, menos a loja Americanas de Delmiro Gouveia.

A Lojas Americanas do Centro de Maceió foi uma das unidades do grupo que abriu as portas neste sábado e fechou após entendimento com a Polícia Militar,

JHC ‘negocia’ indicação de vice para garantir apoio de partido
   7 de março de 2020   │     18:53  │  2

Agora em ritmo mais acelerado os acordos estão sendo fechados, tanto nas chapas proporcionais, quanto nas majoritárias.

Em Maceió, os candidatos a vereador entraram – literalmente – na dança das cadeiras, iniciando uma migração entre legendas que só vai terminar, de fato, no final deste mês.

Dos 21 vereadores de mandato na capital, pelo menos 11 já anunciaram que vão mudar de partido. Alguns já anunciei aqui (Kelmann Vieira, Eduardo Canuto e Zé Márcio Filho). Os outros vou anunciando aos poucos.

Chico Filho, por exemplo, já se desfiliou do PP. E tudo indica que vai se filiar ao MDB. Siderlane Mendonça (Patriotas), IB Brêda (PL) e Francisco Salles (PPL) também devem mudar de legendas – essas migrações estão sendo realizadas, na maioria dos casos por uma questão de “sobrevivência” política, na busca por chapas mais viáveis – falo mais sobre depois.

Os acordos, embora não pareçam, estão mais fortes na majoritária. Alfredo Gaspar de Mendonça (sem partido) deve disputar a prefeitura pelo MDB e terá provavelmente em sua coligação partidos como PL, PSC, Podemos e PV. Também pode conseguir DEM e PSD, entre outros. Nesse grupo a indicação do vice será feita por Rui Palmeira (sem partido) .

O pré-candidato do Progressistas à prefeitura, Davi Davino Filho, já garantiu o apoio do SD e do Republicanos e ainda trabalha para conseguir ao menos mais uma legenda. Ele deve deixar para falar do vice mais à frente, depois que resolver a chapa proprocional.

Ronaldo Lessa, pré-candidato do PDT tenta ampliar o leque e agora abriu negociações com o PT e outras legendas de esquerda e centro-esquerda. Mas por enquanto, é só conversa.

Um dos principais nomes da corrida pela prefeitura, que vinha ou vem liderando as pesquisas de opinião, o deputado federal JHC (PSB) parece ter sido pego de surpresa nas suas articulações – tanto majoritárias quanto proporcionais. Até agora tem certo apenas a aliança co o PSDB do senador Rodrigo Cunha. Mas pode avançar. Anote.

O que se sabe é que JHC teria oferecido a indicação da vaga de vice-prefeito para garantir o apoio do PSL, que em Alagoas é presidido por Flávio Moreno. O acordo que vem sendo costurado em Brasília, com aval do diretório estadual, estaria “praticamente fechado”, segundo um importante interlocutor.

E o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, já mandou avisar. Topa fazer acordo com JHC ou com outro partido, desde que seja garantida, no mínimo, a indicação do candidato a vice.

Mas não é só JHC que está de olho no PSL. Nos bastidores existem conversas com várias outras forças e pré-candidatos em Maceió.

De cara, o partido já descartou a aliança com Gaspar, mas nada impende que lance candidato próprio (Flávio Moreno iria pra ‘missão’) ou que componha com outros nomes.

Tempo e dinheiro

O peso do PSL nas eleições deste ano é inquestionável. O partido tem a maior bancada na Câmara dos Deputados. Por conta disso tem também o maior fundo partidário e eleitoral, além do maior tempo de rádio e TV no horário gratuito eleitoral.

Quem conseguir o apoio do PSL vai garantir, de cara, no mínimo 11% do Guia Eleitoral. É praticamente o que representaria PSB e PSDB juntos (13% do tempo). Se conseguir a aliança com o PSL, JHC teria quase 25% de toda a propaganda eleitoral. Seria três vezes mais do que o tempo que ele teve nas eleições de 2016, quando foi candidato a prefeito e ficou em terceiro na corrida eleitoral.

Bolsa família de Bolsonaro ‘pune’ o Nordeste e prioriza Estados ricos, diz senador
     │     12:42  │  4

Os números são oficiais. Os dados fornecidos pelo Ministério da Cidadania ao Congresso Nacional e obtidos pelo Estadão/Broadcast. A reportagem revela que o governo do presidente Jair Bolsonaro priorizou Estados mais ricos do Sul e Sudeste do Brasil na concessão de novos benefícios do Programa Bolsa Família (PBF) , “em detrimento da Região Nordeste, que concentra 36,8% das famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza na fila de espera do programa”.

Segundo os dados do Ministério da Cidadania, em janeiro deste ano o Nordeste recebeu 3% dos novos benefícios enquanto Sul e Sudeste responderam por 75% das novas concessões. “Para se ter uma ideia, o número de novos benefícios concedidos em Santa Catarina, que tem população oito vezes menor que o Nordeste e é governada por Carlos Moisés (PSL), foi o dobro do repassado à região nordestina inteira, cujos governadores são da oposição”, diz trecho da reportagem.

O senador Renan Calheiros condenou a “inversão” do Programa Bolsa Família (PBF). “Os números mostram um favorecimento no pagamento do benefício aos eleitores de regiões fiéis ao presidente Bolsonaro. Cabe aos presidentes da Câmara e do Senado pedir explicações para manter a eficácia do programa”, afirmou o senador à reportagem do Estadão.”

Também no Twitter, Renan Calheiros condenou o ‘descalabro’ do programa: “Como relator do Bolsa Família, não concordo com o descalabro do programa. A inversão que passa a privilegiar o Sul, em detrimento de quem mais precisa, o Nordeste, deve ser corrigida pelo Congresso. Isso é nosso papel. Não sequestrar 30 ou 20 bi do orçamento, mesmo que por PLN”, disse.

No Twitter o senador também divulgou a planilha de dados que serviu de base para a reportagem do Estadão. (veja abaixo)

Inversão também no Norte

Os benefícios a “eleitores” de Bolsonaro não se restringem a região Sul. Rondônia, governado pelo Coronel Marcos Rocha, filiado ao Partido Social Liberal (PSL), foi o Estado que recebeu, proporcionalmente o maior número de benefícios. Fora 4.875 novos benefícios, o equivalente a 18,43% da fila de espera do Cadunico naquele Estado. Pará, governo por Helder Barbalho (MDB), que tem mais de 218 mil famnílias no Cadunico sem acesso ao PBF teve apenas 488 novos benefícios, o equivalente a 0,22% da fila de espera.

Sozinho Rondônia conseguiu emplacar 2,3 vezes mais pessoas no PBF em janeiro do que todos os outros Estados da região. Na região Norte foram 6.857 novos benefícios, sendo 2.072 para seis Estados e 4,7 mil para Rondônia.

‘Punindo’ Alagoas e o Nordeste

Em janeiro de 2019, quando Jair Bolsonaro assumiu a presidência da república, o Brasil tinha 13.760.887 de beneficiários do PBF. Em dezembro do mesmo ano esse número havia caído para 13.170.607 uma redução de 590 mil beneficiários.

Do total de cortes foram mais de 200 mil no Nordeste (que saiu de 6,9 milhões para 6,7 milhões de beneficiários no Nordeste.

Em igual período foram cortados mais de 15 mil beneficiários de Alagoas ( qualquer saiu de 402,9 mil 387,1 mil beneficiários).

Em janeiro, o governo de Jair Bolsonaro incluiu 100 mil novas famílias e apenas 3 mil ou 3% foram destinados ao Nordeste. Alagoas por exemplo teve apenas 111 novos benefícios no primeiro mês de 2020 o que representa crescimento de apenas 0,15% no número de beneficiários do PBF, um dos mais baixos do país.

Segundo os dados repassados pelo Ministério da Cidadania ao Congresso Nacional, o governo encontrou espaço em janeiro para incluir no programa famílias que estavam à espera do benefício. Foram 100 mil contempladas: 45,7 mil delas no Sudeste, 29,3 mil no Sul, 15 mil no Centro-Oeste e 6,6 mil no Norte. O Nordeste recebeu 3.035 novos benefícios e manteve a média mais magra de meses anteriores.

Não é só Renan

A redução da participação do Nordeste nas novas concessões de benefícios do Bolsa Família pode significar o rompimento da região com o governo federal. O alerta foi feito nessa sexta-feira, 6, pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) à reportagem do Estadão.

O senador tucano divulgou vídeo nas redes sociais em que condena a menor distribuição de benefícios para o Nordeste, onde está o maior número de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza no País “Isso pode significar o rompimento do Nordeste com o governo federal”, avisou. A bancada do Nordeste tem 151 deputados e 27 senadores.

“Estou solicitando a convocação, com urgência, do Ministro da Cidadania ( Onyx Lorenzoni) para vir ao Senado Federal e explicar esse fato, para que possamos tomar as medidas cabíveis. Isso pode significar o rompimento do Nordeste com o Governo Federal”, disse Tasso no Twitter.

 

Saiba mais:

Nordeste fica só com 3% das concessões do Bolsa Família

Nordeste pode romper com governo após cortes no Bolsa Família, diz Tasso

Veja aqui o documento revelado por Renan que mostra a distribuição dos novos benefícios do PBF: